Motivos e Objetivos

Pois pelas tuas palavras serás justificado e pelas tuas palavras serás condenado,” Mt 12:37.

Motivo é algo que pode fazer mover, que tem força impulsiva.
Causa, razão, intuito; escopo, alvo, intenção.

Alvo que se quer atingir.

Qual é o seu motivo e o seu objetivo?

Por que você deseja ser pastor? Qual o seu propósito na pregação do evangelho?

É para fazer disso um meio de vida? Ou para ser uma vocação nobre, que lhe poderá dar prestígio e influência? É esse o seu propósito?
Se é, meu irmão, eu lhe aconselho a procurar outra posição. É melhor que busque outra atividade, porque a benção de Deus jamais descansará sobre você, se esses são os seus motivos e objetivos.

“Aqui está a maneira para fazer isto... A única coisa que posso dar sobre isso é um conselho. Mas tenha certeza que o seu chamado vem de Deus, e então examine os seus motivos e objetivos... Qual o seu motivo para pregar? Você acha que é um trabalho mais fácil do que o que você tem? Então é melhor você esquecer isto, não foi um chamado... Você descobrirá que está simplesmente pronto para uma grande decepção.

Se seu objetivo é aquele: “Não importa se tenho que comer bolacha de sal e beber agua pura, eu pregarei o Evangelho de qualquer forma.” Algo simplesmente te dilacera por dentro, “ Ou eu prego o evangelho ou morro.” Então você vai para algum lugar porque é Deus tratando com você. Deus se fazendo conhecido a você, por que Deus não te deixará descansar. E geralmente um homem chamado por Deus nunca deseja fazer isso. Você já pensou nisto? Qualquer homem ,por mais que deseje o episcopado, está sempre fugindo.” Perguntas e respostas nº12 §29,33.

Por que se torna tão necessário verificarmos os nossos motivos e objetivos? Porque Deus atenta mais para o advérbio do que para o verbo.
Gramaticalmente, verbo é uma palavra que exprime ação, estado, qualidade ou a existência de uma pessoa ou coisa; enquanto que o advérbio é um vocabulário invariável que modifica o verbo, o adjetivo ou outro advérbio, exprimindo circunstâncias de tempo, de lugar, de modo, etc.

Perguntaríamos: qual a razão de tão curiosa preferência da parte de Deus, e como explicá-la do ponto de vista gramatical?
A resposta é fácil e não oferece a menor dúvida: Deus olha antes de tudo, o modo e não a ação. Ao contemplar nossa vida, Ele observa mais os advérbios do que os verbos.
Deus quer saber como oramos, como lemos sua Palavra e como O seguimos. Se oramos ardentemente, se lemos compenetradamente e se O seguimos diligentemente. Essa regra de Deus é aplicável no trabalho, na vida conjugal, na fé cristã, no amor , no companheirismo, no ministério e, assim, sucessivamente.

A ninguém tenho de igual sentimento, que sinceramente cuide do vosso bem-estar. Pois todos buscam o que é seu, e não o que é de Cristo Jesus.” Fp. 2:20-21.
Não interpretemos mal as palavras do estadista Moisés: “Ensina-nos a contar nossos dias,” Sl. 90:12.
Os dias que vivemos formam a nossa existência terrena. Eles devem representar algo positivo, construtivo, edificante e saudável; mas, os números de dias vividos é, de certo modo, algo secundário. O importante, realmente, é o conteúdo que apresentamos nos dias vividos.

Viver é uma coisa muito rara no mundo. A maioria das pessoas apenas existe. Jesus foi diferente, Ele viveu muito pouco sobre a terra, mas o conteúdo e o modo de Seu Viver perduram até agora.

Se meus dias vão ser poucos ou muitos não importa, o que deve me preocupar é desenvolver a melhor qualidade de vida nos dias que Deus me permitir viver sobre a terra, para depois viver eternamente com Ele.”(Alberto Pereira).

Que o Senhor vos abençoe,

Pr. Eliézer Ribeiro.

Categoria:Artigos