Missão de Jezabel

Porquanto não se executa logo o juízo sobre a má obra, por isso o coração dos filhos dos homens está inteiramente disposto a fazer o mal.” (Ec. 8.11)

Curiosamente, Jezabel significa casta. Ela era filha de Etbaal, rei de Sidon, Etbaal, por não ter tido filho homem, consagrou Jezabel sacerdotisa do templo de Baal, em Tiro.¹

JEZABEL ASSASSINA

A união ímpia de Acabe com Jezabel transformou esta em uma assassina cruel quando ordenou o apedrejamento de Nabote e a família deste naquela tétrica tarde (II Rs 9.26).

Chegou Jezabel, “bateu os saltos altos de seus sapatos” e disse a Acabe:

Governas tu agora no reino de Israel? Levanta-te, come pão e alegre-se o teu coração; eu te darei a vinha de Nabote.” (I Rs 21.7)

“Então Jezabel escreveu cartas em nome de Acabe e as selou com o anel-sinete do rei, dizendo: Trazei Nabote para fora dos muros e apedrejai-o para que morra” (I Rs 21.8-10).

O crime não compensa. A missão de Jezabel quase nada lucrou com a execução de Nabote. Consequentemente, tanto a rainha quanto o rei tiveram um fim trágico, tendo Acabe o sangue lambido pelos cães investigadores no mesmo lugar em que foi lambido o sangue do justo Nabote (I Rs 21.19), e a maldita Jezabel devorada pelos cães se tornou esterco sobre o campo de Jezreel para que ninguém se recordasse dela (II Rs 9.33,37).

Valter Gonçalves² diz que é necessário submissão ao líder e à palavra de Deus para não imitarmos a rainha Jezabel e nem cometermos os erros do general Moisés no Egito.

Quando lemos a escritura de Êxodo 2.12, constatamos que Moisés foi muito imprudente, pois já chegou matando. Ele não tentou dialogar³. Entretanto, logo que Moisés matou o egípcio todo mundo aplaudiu, contudo, quando Moisés foi descoberto e Faraó quis mata-lo, ele não achou ninguém para ajuda-lo e ainda teve que fugir.

JEZABEL INTERESSEIRA

É sempre assim. Quando estamos “matando”, quando estamos “por cima”: vencendo, prosperando, brilhando, então somos heróis. Contudo, se as coisas desandam, se nosso pecado é descoberto, só temos uma direção: o deserto. Esse foi o destino de Moisés4. Naquele momento difícil não apareceu nenhum israelita para dizer: “Vem morar conosco, Moisés, nós te esconderemos”, ou então: “Toma este pão e essa botija com água e vai em paz”.

Juvenal Francisco do Carmo5 nos lembra que na prosperidade os amigos nos conhecem, mas na adversidade conhecemos os amigos.

O patriarca Jó conheceu muito bem essa dura realidade, ele “sentiu na pele” o espírito interesseiro de certos amigos e familiares em tempo de prosperidade, aqueles que só veem depois que o nosso cativeiro é mudado; são “companheiros” que só se prontificam a nos auxiliar quando não precisamos (Gn 23.6-16) ou quando não temos mais necessidade (Jó 42.10-11)


IMPRUDÊNCIA DE JEZABEL

O discernimento decide o destino eterno, ele é um dos principais dons espirituais através do qual podemos conhecer as coisas divinas, as diabólicas e as humanas (I Co 12.10;2.15).

Afonso Ruthenburg6 diz que todos os cristãos devem cultivar o equilíbrio, a prudência e o discernimento.

Devemos tomar cuidado para não entrar em briga alheia. Moisés fez isso e não deu certo. Como líder, temos que saber em qual briga entrar. Se você entrar é p’ra valer, para “salvar” ou para “matar”. Moisés não tentou nem acalmar, ele foi para cima para matar, para destruir (Ex 2.11), com isso fez o povo de Israel sofrer ainda mais. Há muitas igrejas e ministérios destruídos por contendas de famílias que não se posicionaram adequadamente.

Sempre que fizermos alguma coisa errada e olharmos só para os lados como Moisés, vamos pensar que ninguém viu aquilo. Moisés olhou para os lados e se esqueceu de olhar para cima, por isso entrou em questão alheia e acabou no deserto.

Honroso é para o homem desviar-se de contendas, mas todo insensato se mete em rixas.”

(Pv 20.3)

COVEIRA JEZABEL

Ainda hoje vemos alguns lideres que olham só para os lados. Acham que se ninguém está vendo suas ações, então não serão descobertos. Mas se esquecem Daquele que tudo vê; Aquele de quem nada e nem ninguém se esconde (Jr 16.17).

Porque não há coisa oculta que não haja de manifestar-se, nem escondida que não haja de saber-se [...]” (Lc 8.17).

Moisés olhou ao redor, como não viu ninguém, enterrou o cadáver do egípcio na areia. Só que o vento removeu a areia do lugar e o corpo apareceu. Não adianta fazer coisas erradas pensando que ninguém viu e nem vai ficar sabendo. Diz o adágio popular: “Mato tem olhos e parede tem ouvidos”.

No IV século a.C., disse Pitágoras de Samos7: “Não cometas nenhum ato vergonhoso, nem na presença de outros nem em segredo. A tua primeira lei deve ser o respeito a ti mesmo”.

LO-DEBAR8 DE JEZABEL

Todo cristão que vacila vê o deserto a sua frente. Não podemos nos iludir achando que teremos outras escolhas, que podemos superar o pecado, que as pessoas vão entender e que Deus vai “deixar pra lá”. Não! Teremos que purgá-lo.

Observe a oração de Moisés:

“Pois somos consumidos pela tua ira e pelo teu furor somos angustiados. Diante de ti puseste as nossas iniquidades, os nossos pecados ocultos à luz do teu rosto.” (Sl 90.7-8)

O sucesso é um deus egoísta, quando o veneramos, ele nos empobrece espiritualmente, quando o veneramos ele nos empobrece espiritualmente, ele nos leva a colecionar ídolos, e isso não nos ajuda em nada.


 

Temos ouvido com pesar a história de pregadores que não resistiram à depravação da fama nem suportaram o peso da prosperidade. Homens influentes na mídia que lotaram estádios com pessoas para ouvi-los: levantaram igrejas, organizaram escolas, orfanatos e seminários; todavia, acossados pela fama, abdicaram do ministério para se tornarem empresários ou se dedicarem à politica. Alguns até foram bem sucedidos na vida publica, outros, porém, foram cassados por corrupção ou então foram encontrados carregando malas e malotes com dinheiro desviado da igreja ou ostentando altos valores desviado dos Correios, da Petrobrás, do erário público e de certas instituições.

Infelizmente, desse grupo de famosos pregadores conheço hoje um que transporta sua congregação em uma kombe e não consegue lotar uma capela funerária para ouvi-lo.

VACILO DE JEZABEL

Já visitei pessoas que vacilaram e caíram, Tentei levantá-las, mas em certos casos há um bloqueio de Deus para que essas pessoas não sejam ajudadas. Já tentei ajudar, mas não consegui. Elas mesmas se afastam, fecham-se, isolam-se. Não participam da Ceia do Senhor, dos Encontros Ministeriais, do evangelismo, das missões, etc.

O ser humano é um animal gregário. José Martins Fontes9 diz que o homem bom obedece ao espírito gregário, é um ser que vive em grupo, em bando como os pássaros. Mas é triste a solidão congregacional. Uma tal solidão leva à depressão e até a loucura. É cruel não ter com quem se comunicar. O isolamento é talvez o pior dos males da humanidade.

Ninguém deve se isolar. Temos de criar vínculos. A vida é feita de convívio, companheirismo e comunhão. Precisamos de relacionamentos bons e saudáveis na igreja. Não devemos entrar calado e sair mudo, pois quando a pessoa se isola, então acha que as outras pessoas é que estão erradas, e diz: “Ninguém me olha, ninguém me cumprimenta, ninguém me ama...”. E assim vai ficando fria, estranha e amargurada.

Luiz Carlos Teixeira10 diz que o cristão que se isola não cresce espiritualmente, também não cria raízes. Ele não é como aqueles que o Salmo 92.13, descreve: “Os que estão plantados na casa do Senhor florescerão nos átrios do nosso Deus.”

Texto retirado do capítulo do livro Aspas,

Autor: Pr. Eliézer Ribeiro.

 

 

REFERÊNCIAS

1SANTOS, João Batista Ribeiro. Dicionário Bíblico. Didática Paulista. São Paulo – SP.p.252.

2Valter Gonçalves: escritor, palestrante, pregador, líder mato-grossense e pastor em Campo Grande – MS.

3BRANHAM, William Marrion. Como Fui Com Moisés, Assim Serei Contigo. § 29,38,44,122. Sermão pregado em 11 de setembro de 1960, em Jeffersonville – Indiana. Tradução: A Palavra Original. Goiânia – GO.; Perseverante. § 30-31. Sermão pregado em 5 de março de 1964, em Dallas – Texas. Tradução: Gravações “A Voz de Deus”. Tradução de: Perseverant.

4LINHARES, Jorge. Varrer para Debaixo do Tapete. Editora Getsêmani. Belo Horizonte – MG. 2013, p. 19,38.

5Juvenal Francisco do Carmo: palestrante, pregador, evangelista, líder mato-grossense e pastor em Cuiabá – MT.

6Afonso Ruthenburg: pregador, mestre, palestrante, líder paranaense e pastor em Cascavel – PR.

7Pitágoras de Samos: filosofo e matemático grego (570-490 a.C). Fundador de uma escola mística e filosófica em Crotona (colônias gregas na Península itálica).

8Lo-Debar: região sem pasto, deserto. Cidade de Gileade, ao oriente do Jordao. Terra natal de Maquir, filho de Amiel (II Sm 17.27).

9José Martins Fontes: médico, poeta e tradutor. É considerado o melhor poeta de sua geração e um dos dez melhores na língua portuguesa; os outros nove são: Camões, Bocage, Antônio Nobre, Guerra Junqueira, Fernando Pessoa, Castro Alves, Olavo Bilac, Raimundo Correia e Alberto de Oliveira. Martins Fontes  nasceu em 23 de junho de 1884, em Santos – SP e morreu em 25 de junho de 1937, em Santos – SP.

10Luiz Carlos Teixeira: professor, pregador, palestrante, líder paulista e pastor em Baurú – SP.

Categoria:Artigos

Deixe seu Comentário